Please use this identifier to cite or link to this item: repositorio.unilab.edu.br/jspui/handle/123456789/952
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorPonte, Marcelo Rodrigues-
dc.date.accessioned2018-12-04T16:57:34Z-
dc.date.available2018-12-04T16:57:34Z-
dc.date.issued2017-
dc.identifier.citationPONTE, M. R. (2017)pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.unilab.edu.br/jspui/handle/123456789/952-
dc.descriptionPONTE, Marcelo Rodrigues. Blendas de bagaço de cana - de - açúcar: caracterização das propriedades e investigação da viabilidade técnica. 2017. 69 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia de Energia, Instituto de Engenharias e Desenvolvimento Sustentável, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira, Acarape-Ceara, 2017pt_BR
dc.description.abstractO bagaço de cana-de-açúcar não pode mais ser encarado como resíduo, mas sim como um insumo. Levando-se em consideração o potencial do bagaço, este estudo teve como objetivo agregar valor a ele, através da mistura com outros subprodutos agrícolas: a poda da mangueira e do cajueiro. Para isto, todo o material passou por etapas de caracterização in natura, verificando-se: poder calorífico superior, densidade, umidade, análise imediata, análise elementar, análise termogravimétrica e formação de blendas com frações mássicas variadas. Por uma análise quantitativa e qualitativa, a partir das blendas formadas, verificou-se quais apresentaram melhores condições para formação de briquetes, ou seja, um produto que sofre um processo de transformação no qual se compacta o material. As frações das blendas de Cana:Mangueira (50%:50%), Cana:Cajueiro (50%:50%) e Cana:Cajueiro:Mangueira (50%:25%:25%) foram utilizadas na produção dos briquetes. Por fim, dos materiais densificados, verificou-se as suas características energéticas e de resistência mecânica, comparando-as com o bagaço de cana in natura. A densidade energética do briquete de Cana:Mangueira aumentou de 1,79 para 13,55 kJ/cm3, em relação ao material não compactado, apresentando uma resistência mecânica de 0,563 MPa; a do briquete de Cana:Cajueiro variou de 1,97 para 12,75 kJ/cm3, com uma resistência mecânica de 0,479 MPa; a do briquete de Cana:Cajueiro:Mangueira variou de 2,46 para 12,18 kJ/cm3, com uma resistência de 0,419 MPa; o briquete de bagaço de cana sem mistura teve sua densidade energética ampliada de 1,25 para 13,22 kJ/cm3, com uma resistência mecânica de 1,022 MPa. De modo geral, a indústria sucroalcooleira, não obstante a sua extensa produção de bagaço de cana, também possui como opção promover a mistura deste bagaço com podas de cajueiro e mangueira para formação de briquetes e obtenção de energia em forma de calor.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectSustentabilidadept_BR
dc.subjectResíduos agrícolaspt_BR
dc.subjectBriquetespt_BR
dc.subjectEnergiapt_BR
dc.titleBlendas de bagaço de cana - de - açúcarpt_BR
dc.title.alternativecaracterização das propriedades e investigação da viabilidade técnicapt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
Appears in Collections:Monografia - Engenharia de Energias

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC - Engenharia de Energias - UNILAB2017 - Marcelo Ponte.pdf2017_mono_mrponte.pdf1,8 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.